Previsão da F1 2011, parte 1: o novo regulamento

Posted on 16. Mar, 2011 by in Formula 1

pneus novos, menos duradouros: pirelli!

Todo ano, Bernie Ecclestone resolve mudar as regras do seu pequeno jogo chamado Formula 1. Os objetivos são sempre os mesmos três:

  • ganhar dinheiro
  • deixar a competição mais interessante para o espectador (–> ganhar dinheiro…)
  • manter a imagem da f1 como fronteira tecnológica do automobilismo (–> imagem = dinheiro)

Este ano, há 3 principais mudanças que prometem mudar a cara das corridas.

Kers...

1) Pneus Pirelli. Com a nova fornecedora única de pneus (deve ter dado mais dinheiro para participar da F1 do que a japonesa Bridgestone), há algumas especulações um tanto “loucas” na mídia. Uma delas é que os pneus estão se desgastando muito rapidamente, o que poderá forçar as equipes a fazer até quarto ou cinco paradas numa corrida. Considero estas opiniões exageradas, embora até alguns pilotos tem comentado neste sentido. Mas é fato que os pneus estarão durando menos, e que a diferença de rendimento de pneu bom para pneu ruim será maior do que nos anos anteriores, o que lógicamente garante bem mais ação nos boxes do que em 2010. Creio que uma 3 paradas passarão a ser a norma, contra apenas uma no ano passado. Isso dará a corrida mais opções táticas e mais momentos de tensão, o que eu pessoalmente acho ótimo!

DRS botão apertado...

2) A volta do KERS. O sistema com o qual energia é transferida dos freios para o carro, a disposição do piloto por um total de 6 segundos durante cada volta, é um sistema fascinante do ponto de vista físico e tecnológico, mas não garante por si só corridas mais vistosas. Afinal, se um piloto aperta no KERS e ganha PS no desejo de passar quem está na frente, este poderá se defender apertando o mesmo botão. Pilotos terão que aprender a usar os 6 segundos taticamente – um pouco aqui, um pouco lá, talvez; ou tudo na reta. Depende muito da situação da corrida e do rendimento do carro nas retas e nas curvas. Mais difícil mesmo é ter o sistema funcionando num carro que mesmo assim é muito bom em termos de aerodinâmica, já que é um equipamento pesado que mexe com o centro de gravidade do veículo. Portanto, o KERS em si fará menos diferença do que as soluções que os engenheiros acharam para posicioná-lo e ao menos não piorar a situação aerodinâmica do carro.

.... e agora sem apertar...

3) Finalmente, a maior e mais radical mudança, o sistema DRS, que dá ao piloto a oportunidade de mudar a asa traseira durante a corrida! É uma regra bem restrita, o que a torna ainda mais interessante: o piloto só pode usar este botão se tiver perto o suficiente de quem ele quer passar (0.7 segundos, eu acho), e só pode usar o sistema na reta. O piloto que está defendendo posição não pode usar o botão; com isso, a FIA quer facilitar a ultrapassagem de carros mais velozes, mas que não conseguiriam passar por causa de problemas aerodinâmicos quando se está exatamento atrás de alguem. Pro espectador, a coisa fica interessante visualmente (aparece  na TV quando um piloto pode usar o botão), mas principalmente fará mais “sentido”. Aquele lance de “chegar é uma coisa, passar é impossível” pode, espera-se, mudar. A ultrapassagem não será necessariamente fácil (como comentou Schumacher), mas ela será possível. O que nem sempre é o caso, que o diga Fernando Alonso na sua disputa com Vitaly Petrov na última corrida de 2010 em Abu Dhabi, que lhe custou o tricampeonato.

quer andar de f1?

No geral, a gente só vai ver mesmo na pista qual destas mudanças realmente acrescenta algo ao esporte e ao espetáculo. Sebastian Vettel se mostrou preocupado principalmente com a regra do DRS, já que ele teme que a corrida pode ficar muito “fabricada” e pouco natural, e realmente depende de tudo: quanto o DRS ajuda na ultrapassagem? Quanto o KERS realmente influencia na largada e na corrida? E quantas trocas de pneu nos boxes realmente serão necessárias? Se tudo tiver na dose certa, acho que a F1 pode ser mais “lógica” esse ano pelo DRS (quem chega deveria ter pelo menos uma opção realista de passar, e quero ver os machos que conseguem evitar!) e mais interessante pelas paradas aumentadas no box, e as opções táticas que isso dá aos diretores técnicos de equipe. Se o povo fala que os anos 80 eram melhores por causa das ultrapassagens (completamente favorecidas pelo vácuo), espero que o efeito do DRS seja semelhante!

Na serie de previsão para a F1 (pra mim, a temporada de futebol acabou ontem…), ainda daremos uma olhada nas equipes (construtores) e, finalmente, no que se pode esperar de cada piloto na temporada que começa em 10 dias.

Tags: , , , , ,

2 Responses to “Previsão da F1 2011, parte 1: o novo regulamento”

  1. Bertarelli

    16. Mar, 2011

    Bem, Espero que esse ano, seja tão bom e interessante quanto foi o ano passado, apesar da choradeira das grandes…

    Venceu o melhor, mas estava torcendo pro Webber….rs

  2. Jito

    21. Mar, 2011

    1, tenho boas espectativas quanto ao (mal) desempenho da pirelli. A possibilidade de 3 paradas vai não apenas trazer mais emoção para a corrida, como exigir melhor noção de estratégia dos diretores.
    A ferrari, que já foi a melhor estrategista (ok, não era a equipe, sabemos) tem feito péssimas escolhas nos últimos 3 anos, inclusive com a escolha da permanência do Felipe que, pra mim, não é piloto pra Ferrari.
    Já a Red Bull tem se mostrado excelente estrategista, mas pode se complicar com brigas internas quanto as preferências de quem entra e quem espera nas eventuais trocas. Sabemos que os 2 não se bicam. Será interessante.

    2, posso queimar minha língua (tomara que sim), mas não acredito que o KERS seja uma grande coisa pra F1. Até agora trouxe mais problemas do que soluções. Como disse, fico na torcida pra ele deixar de ser apenas um trambolho pesado e se tornar um aliado nas ultrapassagens. Mas duvido

    3, finalmente, o DRS. Pra mim o grande trunfo do Ecclestone. Em teoria, teremos mais ultrapassagens. Mas fico pensando..

    a F1 vai aumentare ainda mais o abismo que separa os carros do primeiro pelotão do segundo e principalmente terceiro. Sutuações como a da última etapa do ano passado, com o Alonso, serão cada vez mais raras, o que pra mim é ruim.
    Como piloto de kart, gosto da competição mais equilibrada. Mas claro que sei que isso é ultópico e nem é o objetivo da categoria. ($$$)

    enfim..

    vamos ver como será a temporada. Por enquanto tudo é previsão.

    aliás, esse blog é incrível. Parabéns, Márcio

Leave a Reply